Na Pilha!

Por que é tão legal participar de um grêmio estudantil?

Da edição
por: Débora Kist
Data: 05/04/2018 | 09:05

Trabalhar a liderança dentro da escola e dar voz e vez aos alunos são características pertinentes a um grêmio estudantil. Historicamente, esse grupos tiveram relação com movimentos de estudantes no Brasil e até hoje se mantêm como entidades importantes dentro da organização escolar ou universitária. Atrás de um bom exemplo em Venâncio Aires, o Na Pilha! foi até a Escola Municipal de Ensino Fundamental Odila Rosa Scherer, no bairro União. O Grêmio Estudantil do Odila é considerado um modelo de organização e atuação. São inúmeros projetos realizados por 15 integrantes e capitaneados pelas professoras Maria Suzana de Carvalho e Mônica Müller. Se na sua escola não tem grêmio estudantil, quem sabe esse exemplo seja uma inspiração para pensar novas possibilidades?

Por que é tão legal participar de um grêmio estudantil?

Tudo começa pela iniciativa e isso não falta aos integrantes do Grêmio Estudantil da escola Odila Rosa Scherer. Meninos e meninas entre 11 e 15 anos não escondem o prazer de fazer parte e destacam seis motivos especiais para isso: ajudar a escola, interagir com os alunos, participar de projetos, fazer teatro, seguir o exemplo de outros estudantes e até vencer a timidez! É juntando tudo isso que nascem projetos como o 'Recreio Legal'. Todas as segundas pela manhã e tarde são realizadas atividades recreativas e esportivas com as turmas. Conforme a professora Mônica, uma das coordenadoras do grêmio há 10 anos, são jogos em carpete, latas, panos, cordas, tudo confeccionado pelos alunos. 'É uma forma de resgatar brincadeiras antigas'. Os alunos do grêmio também organizam gincanas, feiras de roupas usadas, peças teatrais e auxiliam nos eventos gerais da escola. Durante todo o ano, eles arrecadam materiais recicláveis. O dinheiro da venda desses itens é revertido, por exemplo, em melhorias na própria escola e na compra de materiais. De tudo que entra e sai, é feita a prestação de contas. Mas as atividades organizadas dentro do Odila também são divididas com outras escolas municipais. Uma vez por mês tem reunião com representantes de outros grêmios e a Uesva. 'Nesses encontros conseguimos analisar o que é melhor para a escola, trocar ideiais e dividir projetos', explica a presidente do grêmio do Odila, Larissa Kist.

O grêmio estudantil da escola Odila tem 15 integrantes, entre alunos do 5º ao 9º. A equipe diretiva é assim formada:

Presidente: Larissa Eduarda Kist
Vice-presidente: Yasmin Camile Grünhauser Scherer
Secretário: João Vitor Landim
Suplente: Camila de Souza Leite

Fala, professor!

Ter um grêmio estudantil não é obrigação, mas sim uma orientação para a escolas municipais. Conforme a coordenadora pedagógica da Secretaria da Educação de Venâncio Aires, Alice Theis, faz parte do currículo escolar trabalhar questões como organização e trabalho em equipe. 'Ser proativo, buscar soluções, enfrentar problemas, buscar outras habilidades que favoreçam o desenvolvimento de um cidadão comprometido com o bem comum. Assim, o grêmio estudantil é uma forma salutar para isso'. No caso da escola Odila, segundo a diretora Márcia Hinterholz Hickmann, o grêmio estudantil é visto como oportunidade para desenvolver a liderança e a representatividade dos 387 alunos matriculados. 'Eles contribuem muito com os projetos, na organização e na própria administração dos eventos. A partir dos anseios e das sugestões dos alunos, articulamos e definimos a melhor forma de atender as necessidades da escola como um todo'.

Uesva socializa ações dos grêmios estudantis

Cultivar a liderança positiva é uma das missões da União dos Estudantes de Venâncio Aires (Uesva). A antiga União dos Secundaristas estava adormecida e a partir de 2005, após reunião no Fórum Municipal dos Estudantes, foi criada a Uesva. O grupo mobiliza a organização dos mais de 20 grêmios estudantis das escolas com a integração entre os representantes de cada escola.

Os encontros são realizados mensalmente, com o propósito de discutir ideias e propostas de liderança nas escolas. De acordo com o assessor da Uesva, André Henckes, a Uesva tem evoluído, ao assumir espaços e trazer resultados positivos para as escolas. 'Através deste contato com os representantes, acontece uma troca de experiências que fortalece as práticas escolares', afirma. Ele acredita que a história das escolas é muito interessante e através destes encontros, é possível fazer uma autoavaliação das propostas desenvolvidas na área estudantil. 'O grêmio estudantil mobiliza toda a escola e o aluno, que tem foco nos estudos, toma a iniciativa de representar o grupo e assume o papel de liderança, esta atitude deve ser preservada', explica o assessor da Uesva.

Já para a presidente da entidade, Letícia Thais Siegert, o contato contribui para a união dos estudantes. 'Os encontros proporcionam a troca de ideias e experiências e os grêmios passam a desenvolver as suas ações a partir das decisões da Uesva', salienta.

Além dos encontros mensais para troca de experiências entre os líderes da equipe, a Uesva segue um cronograma de atividades no decorrer do ano. Para dar início às atividades, o padre João Alberto Konzen abordará com os estudantes a palestra 'A superação da Violência', tema da Campanha da Fraternidade deste ano. Além disso, será realizado um evento para a escolha da rainha dos estudantes e um fórum voltado para o programa de Comissões Internas de Prevenção de Acidentes e Violência Escolar (Cipave).

Recentemente, a Uesva se filiou a União Gaúcha dos Estudantes (UGE) e irá contribuir com vários aspectos positivos no dia a dia dos estudantes. 'A partir de agora, a Uesva está apta a confeccionar carteiras de estudante com abrangência em todo o território nacional. Os estudantes de Venâncio Aires, Passo do Sobrado, Vale Verde e Mato Leitão serão beneficiados com este serviço', afirma.

Fotos: Débora Kist

 


Fisk