Há quatro anos no Futebol Americano, Rafael Rodrigues, quarterback do Restinga Redskulls, fala sobre sua trajetória

Entretenimento
por: Mônica da Cruz
Data: 29/08/2016 | 21:00

No post de hoje, apresentamos para vocês, leitores, o quarterback do Restinga Redskulls, de Porto Alegre. Confiram:

Camisa 7 da equipe porto-alegrense, o contador Anderson Rafael Gomes Rodrigues, 32 anos, conta que o Futebol Americano começou a fazer partida de sua vida, ao assistir uma partida do Eagles, time da Filadélfia, nos Estados Unidos, pela televisão.

Foto: Touchdown Gaúcha / Na Pilha!Para Rafael não foi fácil se tornar QB, a posição já era ocupada no time e foi preciso ainda mais dedicação
Para Rafael não foi fácil se tornar QB, a posição já era ocupada no time e foi preciso ainda mais dedicação

Rafael, como é conhecido pelos companheiros e torcedores, relata que ficou fascinado assistindo ao jogo e algum tempo depois, através de um amigo, ficou sabendo de uma equipe de F.A. em seu bairro. 'Ali iniciava minha carreira no esporte', relembra.

Foto: Everton Eifert e Felipe Lima / Na Pilha!Mesmo com os pedidos para parar de jogar, Rafael resolveu seguir no esporte
Mesmo com os pedidos para parar de jogar, Rafael resolveu seguir no esporte

Ao todo, o quarterback já está há quatro anos no esporte: dois no 'no pad' e dois no 'full pad'. Essa separação, segundo ele, se deve porque são 'mundos' totalmente distintos. Rafael explica que logo no início jogava em outra posição, running back, porém acabou se machucando e, assim, se deu conta de que não voltaria a jogar com a mesma desenvoltura.

Sendo assim, o jogador pesquisou posições em que não precisaria de tanta mobilidade para não precisar deixar o F.A. 'Me deparei com a posição de quarterback, mas na equipe já tinha um. Por isso, treinei e busquei meu espaço, e há três anos e sete meses sou o QB titular da minha equipe.'

Sobre o apoio familiar, Rafael conta que no início, infelizmente, não pode contar com isso. Conforme o QB, isso ocorreu, ainda mais, por causa de sua lesão, ainda no começo de sua carreira. Depois desse episódio, os pedidos para parar de jogar eram unânimes.

'Como estava à frente do projeto como presidente, eu escutava muito 'isso não vai dar certo', 'você é maluco jogando esse esporte'.' Porém, Rafael ignorou todos os pedidos e seguiu em frente. Além disso, o QB comenta que sua vida ficou sem rumo logo que saiu do quartel e foi no F.A que novas oportunidades surgiram.

Quando iniciei no esporte e vi os valores e princípios, me senti útil novamente

 

Foto: Divulgação / Na Pilha!No início, Rafael não jogava como quarterback, mas depois de uma lesão, resolveu se dedicar para conquistar a posição
Foi depois de assistir um jogo de F.A que o interesse de Rafael pelo esporte começou

Para Rafael, os desafios da posição são inúmeros. Mas, dentro de sua realidade, ele destaca a responsabilidade de manter sua equipe sempre motivada e focada. O jogador ressalta que se sente privilegiado de trabalhar com amigos. O jogador já teve passagens pelo Porto Alegre Pumpkins, Juventude e Bulls.

Se você pensa em começar a praticar futebol americano, anote as dicas do QB: estude, se dedique, escute quem está a mais tempo, porque isso faz toda a diferença. Rafael conta que, nesse aspecto, teve sorte, pois aprendeu com caras que estão fazendo isso há muito tempo.

 

>> Confira também
Gravataí Spartans: conheça Tales Vargas, quarterback do time

Conheça a história de Douglas Rodrigues, quarterback do Santa Maria Soldiers, Campeão Gaúcho