Na Pilha!

Eu conto: um conto por mês, durante um ano

Livros
por: Juliana Bencke
Data: 16/01/2019 | 14:14

Depois de se desafiar e escrever 50 crônicas em 50 dias, no ano passado, o publicitário Gean Paulo Naue lançou um novo desafio para 2019, o 'Eu conto: Um conto por mês durante um ano'. Até dezembro, todos os meses, ele vai enviar gratuitamente um conto de sua autoria, por e-mail, para quem se cadastrou.

Até agora, 80 pessoas já se candidataram para ser leitoras de Gean. "Mas a lista vai estar aberta até dezembro, então ainda pode aumentar. O conto não tem dia específico para ser enviado, gosto de pensar que ele é uma surpresa. Chega a qualquer dia", explica.

Foto: Divulgação / Divulgaçãojj

Segundo Gean, o primeiro conto, já está pronto. "Ele se chama 'Josué', já foi para revisão e estou esperando o momento certo para enviá-lo. Josué é o nome de um dos meus melhores amigos e o conto fala sobre uma separação que tivemos e de um reencontro depois de seis anos. Mas, esse retorno meu não foi exatamente uma festa, está mais para um acerto de contas", adianta o escritor.

A opção por enviar os contos, por e-mail, em vez de publicá-los em um site ou nas redes sociais, tem o propósito de buscar uma divulgação mais eficaz e promover um contato mais próximo com os leitores. Para Gean, além de não precisar investir financeiramente na divulgação, o método facilita para os leitores.

"A pessoa só vai se cadastrar se tiver interesse em ler, isso já é algo muito bom. Todos que se cadastraram vão receber o texto e ele pode ficar guardado lá para ser lido na hora que quiser, ninguém vai precisar estar correndo atrás de links ou digitando no Google. Além disso, o e-mail permite que o leitor se comunique comigo, o que torna a relação bem próxima e interessante."

Ficou interessado em participar? Clique aqui para se cadastrar no 'Eu conto'. Além disso, todo mês, será possível ler o conto de forma impressa, na Biblioteca Pública Municipal Caá Yari. "Não é para retirar e levar para casa feito um livro, mas pode ser lido por quem estiver por lá e quiser ler algo rápido ou não tiver acesso à internet", explica Gean. Outro plano é que os contos sejam gravados em áudio para chegar àquelas pessoas que não sabem, não gostam de ler ou são impossibilitadas de ler.