Abrindo portas para a automação

Da edição
por: Débora Kist
Data: 12/04/2018 | 09:12

O crescente nível de automação das empresas, principalmente no meio industrial, traz uma demanda constante por profissionais especializados na área. A formação se dá em torno do campo da eletrônica e da automação industrial, mas também trabalha paralelamente competências de gestão e empreendedorismo. Para conhecer mais sobre a profissão e os motivos que têm mexido no limite entre oferta e procura, a equipe do Na Pilha! foi conversar com quem entende tudo da profissão e com quem está estudando. 

Segundo o coordenador do curso de Engenharia de Controle e Automação da Unisc, Fabrício Egert, os Vales do Rio Pardo e Taquari têm um grande potencial industrial, sendo que as oportunidades se encontram na região mesmo e na demanda existente no aglomerado industrial da região sudeste do país. 'Além da engenharia, o profissional pode desempenhar muito bem funções onde se requer habilidade para lidar com números, com pensamento crítico e analítico e com gestão de processos', detalha.

Para Henrique da Rosa, proprietário de uma empresa do ramo de engenharia e automação industrial em Venâncio Aires, cada vez mais as indústrias estão se automatizando e procuram quem preste serviço nessa área, como instalação elétrica, painéis elétricos e normas regulamentadoras (NRs). 'O crescimento é visível e por isso se percebe também uma mudança em pessoal, pois a qualificação irá mudar'. A empresa do Henrique, que há quatro anos tinha três funcionários e 78 metros quadrados, hoje tem 1.200 metros quadrados e 72 funcionários, além de uma filial em Curitiba. 'Prestamos serviço terceirizado para empresas de todos os ramos, seja alimentício, farmacêutico, para montadoras e fumageiras', destaca.

Ricardo Reimann tem 25 anos e já é formado em Engenharia Elétrica. Está no ramo não por acaso, já que também é coisa de família. 'Minha irmã e quatro primos são engenheiros e gosto da área desde criança'. Apesar de toda familiaridade com a profissão, no próximo semestre ele voltará à sala de aula para o Curso de Engenharia de Controle e Automação. 'É uma área que sempre gostei e penso na qualificação. Não só a parte de manutenção e instalação elétrica, mas a questão agora é a automação 4.0'.

Foto: Débora Kist / Folha do MateRicardo fará Engenharia de Controle e Automação no próximo semestre
Ricardo fará Engenharia de Controle e Automação no próximo semestre

 

Mas o que é Indústria 4.0?

Para quem atua ou estuda nesse meio, o assunto do momento é a 'indústria 4.0' ou a 4ª revolução industrial. Segundo o engenheiro em controle e automação Marco Antônio Pacheco, a busca hoje é por tecnologias de informação e mecanismos que ajudem na eficiência. 'Antigamente se perdia tempo analisando dados. Hoje a busca é fazer com que a máquina faça seu próprio diagnóstico. O caminho da indústria 4.0 é achar todos os gargalos de uma linha para que fique mais rentável. Busca-se a otimização, mas sem precisar investir em patrimônio', explica.

'Automação pura' 

Abaixo, um painel elétrico de um Centro de Controle de Motores vem sendo desenvolvido há cerca de meio ano para uma empresa gaúcha. Com 120 acionamentos e 600 I/Os (entradas e saídas), é o que Marco Antônio Pacheco chama de 'automação pura'.

Controle e Automação na Unisc

Conforme o professor Fabrício Egert, o profissional pode, após formado, trabalhar tanto na indústria como no comércio, empreendendo também individualmente. Ainda segundo Egert, a área de Controle e Automação dá atribuições profissionais específicas junto ao Conselho de Engenharia e Agronomia, sendo que nenhum outro profissional pode exercer as atividades reservadas a essa profissão. 'São aulas práticas em até 12 laboratórios diferentes, onde o resultado do estudo é colocado à prova e verificado no meio real. O aluno tem contato com equipamentos de ponta utilizados na indústria e termina o curso muito bem preparado para o mercado de trabalho'. O curso está em processo de implantação, com a segunda turma iniciada em 2018. São 55 vagas anuais.


Fisk